Adágios Gauchos

A

Abichornado como viúvo que se deu bem em casado.
Abichornado que nem urubú em tronqueira.
Afiado como navalha de barbeiro caprichoso.
Agarrado como carrapato em culhão de touro.
Alegre como lambari de sanga.
Alegre que nem paisano à meia guampa (paisano é expressão correntina e quer dizer patrício, amigo, camarada. Meia-guampa é expressão gauchesca, que significa ébrio).
Amarga como erva caúna (a palavra caúna é tupi e significa amarga; expressão de quem está desabafando suas dores).
Apertado como queijo em cincha.
Apertado como rato em guampa.
Assanhada como solteirona em festa de casamento.
Atirado como interesse de viúva.
Atirado como rebenque velho.
Aumentar como barriga de prenha.
Aumentar mais que casa de ladrão.
B

Babava como boi com aftosa.
Baixo como barriga de sapo.
Baixo como tamborete de china.
Baixo como umbigo de cobra.
Baixo como vôo de marreca choca.
Bater mais que brigadiano na mulher.
Bonita que nem laranja de amostra.
Botar mais coisa na boca (de alguém) que água em pirão de quartel.
Brilhar como ouro de libra.
Bueno como dinheiro achado.
Bueno como faca achada.
Bueno como namoro no começo.
Buliçoso que nem mico de viúva.
C

Cair bem como chuva em roça de milho.
Cara amarrada como pacote de despacho.
Causar alvoroço que nem mata-mosquito em convento.
Charlar que nem china da fronteira.
Chato como chinelo de gordo.
Chato que nem gilete caída em chão de banheiro.
Cheio como barril de chopp em festa de crente.
Cheio como bolsa de china.
Cheio como corvo em carniça de vaca atolada.
Cheio como penico em dia de baile.
Cheirando bem como cogote de noiva.
Chiar como uma locomotiva no cio.
Cobiçada como anca de viúva nova e bonita.
Com cara de quem tomou chá de losna sem açúcar.
Comer mais que remorso.
Como tosa de porco: muito grito e pouca lã.
Contente como cusco de cozinheira.
Contrariado como gato a cabresto.
Coxuda como leitoa no engorde.
D

Dá mais que pereba em moleque.
Dar mais volta que bolacha em boca de velha.
De bago inchado como touro apartado do rodeio de vacas.
De boca aberta que nem burro que comeu urtiga.
Desconfiado como cego que tem amante.
Devagar como enterro de a pé.
Dinheiro na mão de pobre, é como cuspe em ferro quente.
Doído como guasqueaço em testa de negro em comércio de carreira.
Dorme atirado que nem lagarto (desta expressão surgiu o termo lagartear; deitar-se ao sol; Diz-se do sujeito que não tem cerimônia, se atira em qualquer lugar, de qualquer jeito).
Dormir que nem sapo morto estirado nos arreios.
E

Empacado como burro de mascate (diz-se da pessoa que não se decide ou que sempre trava decisões).
Encardido como peleia de caudilho.
Encordoado como teta de porca.
Enfeitado como bidê de china.
Enfeitado como bombacha de turco.
Enfeitado como mula de mascate.
Enfeitado como carroça de cigano.
Enfeitado como quarto de china.
Enfeitado como santo milagroso.
Engraçado como gorda botando as calça.
Era tão baixinho que quando peidava levantava poeira do chão.
Esburacado como poncho de calavera.
Escassa como pelo em recavém de touro.
Escassa como passarinho em zona de gringo.
Esfarrapado que nem poncho de gaudério.
Espalhar-se como pó de mangueira em pé de vento.
Esparramado como dedo de pé que nunca entrou em bota.
Esperto que nem gringo de venda.
Está como o banhado quando o graxaim passa a trote.
Extraviado que nem chinelo de bêbado.
F

Faceiro como guri de tirador novo.
Faceiro como mosca em rolha de xarope.
Faceiro como pica-pau em tronqueira.
Faceiro que nem ganso novo em taipa de açude.
Feia como mulher de cego.
Feliz que nem pinto no lixo.
Feliz como puta em dia de pagamento de quartel.
Fino e comprido como pio de pinto.
Firme que nem palanque em banhado.
Firme que nem prego em taquara.
Folgada como cama de viúva.
Folgada como luva de maquinista, que qualquer um mete a mão.
Folgada como peido em bombacha.
Frio de empedrar água do poço.
Furioso como gato embretado em cano de bota.
G

Ganiçar como cusco que levou água fervendo pelo lombo.
Gordo e lustroso como gato de bolicheiro.
Gosmento como cuspida de bêbado.
Gritar mais que cabrito embarcado.
Grosso como palanque de banhado.
Grosso como rolha pra poço.
Grudado como bosta em tamanco.
I

Inquieto como um galho de sarandi tocado pelo vento.
J

Judiado como filhote de passarinho em mão de piá.
L

Louco como galinha agarrada pelo rabo.
Louco de sestiar nos trilho.
M

Mais à vontade que bugio em mato de boa fruta.
Mais afiada que língua de sogra
Mais afiada que navalha de barbeiro caprichoso
Mais alto que cavalo de oficial.
Mais amontoado que uva em cacho.
Mais ansioso que anão em comício.
Mais angustiado que barata de ponta-cabeça.
Mais apertado que alpargata de gordo.
Mais apertado que bombacha de fresco.
Mais apertado que chapéu novo.
Mais apertado que coleira de guaipeca.
Mais apertado que nó de soga em dia de chuva.
Mais apertado que queijo em cincha.
Mais apertado que rato em guampa.
Mais apressado que cavalo de carteiro.
Mais arisca do que china que não quer dar.
Mais assanhado que lambari de sanga.
Mais assustado que cachorro em canoa.
Mais assustado que cavalo passarinheiro (pessoa que se assusta de tudo, até de seus atos).
Mais atirado pra trás que pica-pau em tronqueira.
Mais atirado que alpargata em cancha de bocha.
Mais atirado que bosta de cuiudo em várzea.
Mais atrapalhado que cego em tiroteio.
Mais atrasado que bola de porco.
Mais branco que perna de freira.
Mais caro que argentina nova na zona.
Mais chato que chinelo de gordo.
Mais ciumenta que mulher de tenente.
Mais complicado que receita de creme Assis Brasil.
Mais comprido que bombacha de gringo.
Mais comprido que cuspe de bêbado.
Mais comprido que esperança de pobre.
Mais comprido que putiada de gago.
Mais comprido que suspiro em velório.
Mais comprido que trova de gago.
Mais comprido que xingada de gago.
Mais conhecido que a reza do padre-nosso.
Mais conhecido que andar pra frente.
Mais conhecido que marca de estância grande.
Mais conhecido que parteira de campanha.
Mais constrangido que padre em puteiro.
Mais corrido que lebrão de cusco.
Mais curto que coice de porco.
Mais curto que estribo de anão.
Mais delgado que cachaço emprestado.
Mais demorado que enterro de rico.
Mais demorado que o mate do João Cardoso.
Mais desconfiado que cego que tem amante.
Mais desconfiado que china de soldado em tempo de prontidão.
Mais difícil que nadar de poncho e dormir de espora sem rasgar lençol.
Mais duro que pau de preso.
Mais duro que salame de colônia.
Mais eficiente que japonês na roça.
Mais eficiente que purgante de maná.
Mais encolhido que tripa grossa na brasa.
Mais enfeitado que bombacha de biriva.
Mais enfeitado que burro de cigano em festa.
Mais enfiado que cueca em bunda de gordo.
Mais engraxado que telefone de açougueiro.
Mais enrolado que cristal para viagem.
Mais enrolado que lingüiça de venda.
Mais entravado que carteira em bolso de sovina.
Mais escandaloso que relincho de burro chorro.
Mais esticado que cola de perdigueiro amarrando perdiz.
Mais faceiro que égua com dois potrilhos.
Mais faceiro que filhote de ganso em taipa.
Mais faceiro que gordo de camiseta.
Mais faceiro que guri de calça nova.
Mais faceiro que pinto em cisco.
Mais faceiro que sapo em banhado.
Mais faceiro que tico-tico na chuva.
Mais fácil que fazer falar um rádio.
Mais fácil que tirar doce de guri.
Mais fechado que baú de solteirona.
Mais fedorento que arroto de corvo.
Mais feio que briga de foice no escuro.
Mais feio que indigestão de torresmo.
Mais feio que paraguaio baleado.
Mais feio que rodada de cusco em lançante.
Mais feio que sapato de padre.
Mais fino que assobio de papudo.
Mais firme que catarro em parede.
Mais floreado que guaiaca de correntino.
Mais folgado que colarinho de palhaço.
Mais forte que peido de burro atolado.
Mais forte que sapato de padre.
Mais frouxo que calça de palhaço.
Mais gasto que fundilho de tropeiro.
Mais gostoso que beijo de prima.
Mais grosso que cintura de sapo.
Mais grosso que dedo de gringo.
Mais grosso que dedo destroncado.
Mais grosso que mamona de tapera.
Mais grosso que mandioca de dois anos.
Mais grosso que papel de enrolar prego.
Mais grosso que parafuso de patrola.
Mais grosso que rolha de poço.
Mais grudado que bosta em tamanco de leiteiro.
Mais informado que gerente de funerária.
Mais importante que o irmão da rapariga do cabo.
Mais inchado que sapo bulido.
Mais inquieta que galho de sarandi tocado pelo vento.
Mais intrometida que piolho na costura.
Mais inútil que buzina em avião.
Mais inútil que mijar em incêndio.
Mais inútil que teta em homem.
Mais largado que alpargata de negro em cancha de bocha.
Mais ligado que rádio de preso.
Mais ligeiro que correntino roubando.
Mais ligeiro que enterro de bexiguento.
Mais ligeiro que enterro de pobre.
Mais ligeiro que tainha de açude.
Mais linda que camisola de noiva.
Mais linda que laranja de amostra.
Mais liso que bunda de santo.
Mais magro que guri com solitária.
Mais medroso que cascudo atravessando galinheiro.
Mais medroso que velha em canoa.
Mais metido que dedo em nariz de piá.
Mais metido que merda em chinelo de dedo.
Mais metido que piolho em costura.
Mais nervoso que anão em comício.
Mais nervoso que gato em dia de faxina.
Mais nojento que mocotó de ontem.
Mais pelado que sovaco de santo.
Mais perdido que cebola em salada de fruta.
Mais perdido que cego em tiroteio.
Mais perdido que cusco em procissão.
Mais perdido que cusco em tiroteio.
Mais perdido que cusco que caiu do caminhão da mudança.
Mais perdido que peido em bombacha.
Mais perdido que surdo em bingo.
Mais perfumado que mão de barbeiro.
Mais perigoso que briga de foice apartada por gadanha.
Mais pesado que pastel de batata.
Mais por baixo que umbigo de cobra.
Mais por fora que arco de barrica.
Mais por fora que arco de barril.
Mais por fora que cabelo de côco.
Mais por fora que cotovelo de caminhoneiro.
Mais por fora que quarto de empregada.
Mais por fora que surdo em bingo.
Mais por fora que umbigo de vedete.
Mais prestimosa que mãe de noiva.
Mais quieto que guri cagado no canto
Mais sério que cusco em chalana.
Mais sério que defunto.
Mais sério que guri mijado.
Mais sujo que pau de galinheiro.
Mais tranqüilo que água de poço esperando o lacaço do balde.
Mais triste que cachorro em caique.
Mais triste que último dia de rodeio.
Mais usado que pronome oblíquo em conversa de professor.
Mais vagaroso que tropeiro de lesma (expressão usada para pessoas lerdas, que demoram para tomar uma atitude).
Mais vaidoso que guri em chineiro.
Mais velho que andar de pé.
Mais velho que mijar em arco.
Mais velho que mijar pra frente.
Mais velho que rascunho de Bíblia.
Mais vermelho que pescoço de galo coió.
Mais virado que bolacha em boca de velha.
Maldoso como petiço de guri.
Mansinho como gato de solteirona.
N

Nervoso como gato em dia de faxina.
Nervoso como potro com mosca no ouvido.
P

Parado como água de poço.
Pelado que nem sovaco de perneta.
Pelear como quem dança em surungo de china.
Perfumado como mão de barbeiro.
Pior que a filha casar com nordestino.
Pior que cair do cavalo.
Pior que cusco que caiu do caminhão da mudança (pra casa antiga não adianta voltar, a nova ele não sabe onde é!)
Pior que jacaré sem lagoa.
Pior que ter mãe na zona.
Pisar mais firme que delegado novo em chineiro.
Pular de pau em pau como coruja em corredor.
Q

Que nem carro de funebreiro: só leva.
Que nem casa de esquina, dá pros dois lado.
Que nem corvo em carniça de vaca atolada.
Que nem luva de maquinista, tão folgada que qualquer um bota a mão.
Que nem serra-elétrica, não pode ver pau de pé.
Que nem tartaruga de poço, só esperando o golpe do balde.
Que nem trigo: lindo de se vê mas só dá uma vez por ano.
Que nem vara verde, pende para o lado que está o vento.
Quem gosta de aglomeramento é mosca em bicheira.
Quente como frigideira sem cabo.

R

Rebola mais que minhoca nas cinzas.
Rebolear as ancas como avestruz repontada.
Reto que nem goela de João-grande.
S

Sabido como sorro velho (O sorro ou guaraxaim perde o pêlo mas não perde as manhas; diz-se do líder que sempre acha um jeitinho para acomodar as coisas, ou cair fora dos compromissos assumidos).
Se espalhou como pó de mangueira em pé de vento.
Seca como tiro de 12 cano-serrado.
Sério como guri que examina galinha para ver se tem ovo.
Sério que em defunto.
Sério que guri cagado.
Sincero como vaca pro touro.
Sofrer como joelho de freira na Semana Santa.
Sofrer mais que mãe de ouriço.
Solito como galinha em gaiola de engorde.

Solto que nem peido em bombacha
Sutil como gato que vai pegar passarinho.
T

Tradicional como embalagem de maizena.
Tradicional como fórmula de minâncora.
Tranqüilo como água de poço.
Tranqüilo como cozinheiro de hospício.
Tranqüilo e sereno que nem baile de moreno.
Tranqüilo que nem tartaruga de poço.
Triste como burro atolado.
V

Virar-se mais que minhoca na cinza.
Vivo como cavalo de contrabandista.

Fonte: Domínio público.
Pesquisador: Luiz Cesar Branco

http://www.chasquedoconhaque.com.br/chasque/wp-content/uploads/2014/12/00.jpg

One comment

  1. Pula mais que chaveiro em bolso de manco.
    Faltou esta..

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>